Home

No meu tempo de criança, os pais eram pessoas esforçadas pelo sustento da família. Com ostentação ou sem, as pessoas eram mais preocupadas com o trabalho do que com ser feliz. Talvez por isso, já que filhos querem sempre fazer tudo diferente dos pais, agora todo mundo quer fazer o filho feliz, acima de tudo. Isso explica os valores escandalosos que se paga hoje em dia por uma festa de aniversário, a quantidade de brinquedos que as crianças têm e o número enorme de brasileiros indo para a Disney, às vezes para passar o final de semana. Claro que existe a culpa de muitos pais que trabalham demais e tentam compensar os filhos de alguma forma. Mas reflexo da culpa ou não, as crianças de agora nasceram para ser felizes. Será que está certo isso?

Vamos lembrar da nossa infância. Eu pelo menos, era muito feliz. Brincando com minha amiga que morava na casa ao lado, passávamos horas penteando o cabelo uma da outra, ou fazendo comidinha com as plantas do jardim. A maior aventura de que me recordo era brincar de pega-pega com o meu cachorro. Muito básico para você? Acontece que meu cachorro se transformava em uma onça que na verdade era uma Medusa, então em um simples olhar, ele poderia nos transformar em pedras. Por isso estávamos sempre equipadas com frascos vazios de shampoo cheios de água que explodiam como granadas quando caiam no chão. Pois é, criança vem com imaginação de berço. Por isso não precisa ir até Orlando ver os espetáculos de fogos de artifício para ficar maravilhada. Aliás, cá entre nós, já estive na Disney 3 vezes (2 em Orlando e 1 em Paris) e nunca vi tanta criança triste em um parque. Chorando, cansadas, angustiadas, com as mães e os familiares estressados. Claro, já viu o tamanho do lugar? E a quantidade de informação? E de sorrisos maquiados, brilhos, alegria explosiva? Gente, somos humanos. Isso não é um filme. É vida real. Não somos super heróis, nem princesas. Seu filho vai comer aquela salsicha processada junto com aquele pão velho de uma lanchonete linda com várias coisas girando, e pode ser que passe mal. E ai? Não! Não pode passar mal na Disney. Tem que curtir. Tem que ser feliz.

Eu trabalhei para a Disney traduzindo todos os materiais para português durante 4 anos. Sou encantada com a empresa e com o negócio em si, gosto de ir porque moro a 300 quilômetros de distância, temos o passe anual então é um programa barato em um lugar super organizado e bonito na maioria das vezes. Só estou usando de exemplo porque sei que é uma viagem muito cara para se fazer do Brasil mas isso não está impedindo cada vez mais brasileiros de fazerem. Minha pergunta usando este exemplo é: será que precisamos fazer tanto pelos nossos filhos? (Viagem de 8 horas de avião, filas intermináveis, kilômetros e mais kilômetros de parque de diversão) Eu suponho que não. E que está errado os pais sentirem que são responsáveis por fazer dos filhos, pessoas felizes. De onde tiramos essa ideia maluca?

O que eles precisam na verdade é de adultos para educá-los. E como adultos é claro que estamos ocupados. Com a família, com o trabalho, com as funções da casa. Se nessa lista se somar “a felicidade do(s) meu(s) filho(s)” alguém vai ficar muito sobrecarregado e frustado. Talvez seu filho, talvez você, talvez todo mundo. É chato tentar e não conseguir. Já pensou como sente os pais que pagaram a viagem em 6 vezes, passaram 8 horas na lata de sardinha, mais 1 hora em um brinquedo se o filho sair do brinquedo chorando?

Uma vez eu li o livro Encantador de Cães e fiquei fascinada com o raciocínio simples que o genial Cesar Millan escreve ali. Ele diz que cães só vão obedecer quem eles respeitam. E para ganhar respeito, é preciso ser a autoridade, é preciso colocar ordem antes do amor. Agora tente trocar a palavra “cães” por “filhos”, dá no mesmo. Autoridade é o contrário de democracia. Os pais não podem estar sempre abertos “o que querem comer, o que vamos fazer hoje, onde vamos passar as férias”. Entende como é complicado para a criança ouvir isso? Sentir que não existe uma ordem. Ela no auge dos seus 4 anos (ou por volta disso) é que precisa saber, querer e lidar com seus desejos. Meu Deus, está tudo errado ai. No meu tempo de criança, minha mãe interrompia a brincadeira trazendo uma bandeja com uma limonada fresca e biscoitos Maria. Sempre que lembro dessa cena (que aconteceu várias vezes) ela aparece iluminada como uma fada. O que eu sentia era: Nossa, ela é mágica! Como ela sabe que estamos com fome e com sede? Teria sido bem diferente se ela tivesse aparecido e perguntado: querem lanchar? vão querer sorvete ou pode ser biscoito mesmo? Estava pensando em fazer uma limonada, vocês vão beber? Ou é melhor eu trazer um suco de uva?

Infelizmente não estou escrevendo isso porque já aprendi a lição depois de ler o livro. Estou tentando aprender. E só estou escrevendo sobre isso porque descobri que tenho errado bastante. Desde que nos mudamos para Miami, fico com pena e compaixão por qualquer expressão de sofrimento que meus filhos tenham. Porque sei que é difícil para eles. E até esqueço que é difícil também para mim. Minha vida mudou completamente. Mas nem lembro disso. Só penso neles. A consequência? Minha filha de 4 anos cada dia faz uma coisa para me irritar. E então percebi que ela está fazendo isso porque eu estou irritando ela. E porque? Porque estou aberta todos os dias para ouvir, para entender o lado dela. Não parece errado à princípio, certo? Mas está errado. Criança precisa de adulto, alguém que tenha um norte, e ela acompanha o caminho, se frustando, entendendo seus limites e entendendo, porque não, que a vida não é um parque de diversões cheio de pessoas fantasiadas sorrindo para você o dia todo. A vida é para evoluir. Vamos tentar evoluir como pais antes que eles cresçam. Já pensou como deve ser frustante a adolescência de uma criança que sempre teve uma, duas, ou mais pessoas prontas a atender seus pedidos? Como deve ser difícil perder para um adulto que passou a infância sempre ganhando? Nem que a custa de 12 sofridas prestações para os pais?

Educar dá mais trabalho do que servir o sorvete antes do jantar, já que seu filho está querendo tanto. Educar envolve mais compromisso do que pagar as 6 parcelas da viagem mágica. Educar é coisa de gente grande. Deve ser por isso que crianças não podem ter filhos. Porque filhos precisam de adultos. Parece que esse é o grande problema da minha geração, não queremos ser adultos. Outro dia vi um post sobre a crise dos 25 anos. Levei o maior susto! A maioria das pessoas que conheço estão nessa crise aos 35 (ou mais). Está na hora de dar esse passo. Parar de focar só na diversão e na felicidade e evoluir, amadurecer. Todo grande passo na vida acontece quando a gente faz aquilo que é desconfortável. Já aprendemos muito sobre diversão e entretenimento, que tal agora aprender a viver?

Por Cris Leão

Gostou? Leia também:

Desligue e celular e ligue para seu filho

O amor natural 

12 dicas preciosas para ajudar na tarefa de ser pais

323 pensamentos em “Seu filho precisa mesmo ser tão feliz?

  1. Amei o seu texto, parece q foi escrito p mim. Eu, meu marido e minha filha de 04 anos mudamos p Argentina a um ano e não está sendo nada fácil. Eu me cobro o tempo todo, quero q ela seja feliz por isso as vezes acabo esquecendo q eu existo com mulher, como ser humano em prol da felicidade dela. Obrigada e pelo texto.

  2. Pingback: Seu filho precisa mesmo ser tão feliz? | lclaudio`s Blog

  3. Diversas vezes me sinto exato assim como conta no texto, tentando produzir felicidade a qualquer custo, afinal, eles são filhos de pais separados, a vida na verdade não é nada fácil … e por aí vai. De certa forma, tirei um peso das costas! Obrigada!

  4. Ótima reflexão! Recordemos, Ultrajadamente:

    ” – Meus dois pais me tratam muito bem…
    – O que é que você tem que não fala com ninguém?
    – Meus dois pais me dão muito carinho…
    – Então porque você se sente sempre tão sozinho?
    – Meus dois pais me compreendem totalmente!
    – Como é que cê se sente, desabafa aqui com a gente!
    – Meus dois pais me dão apoio moral!
    – Não dá pra ser legal, só pode ficar mal!…

    … – Meus pais não querem que eu fique legal!
    Meus pais não querem que eu seja um cara normaaaaaal! ”

    Parabéns pelo texto.

  5. Pingback: Seu filho precisa mesmo ser tão feliz? | ℮.ComTato

  6. Tudo que precisava ler hoje… Depois do espetáculo particular da minha filha de 07anos em não querer ir à escola… Exausta fiquei logo cedo… explicando a necessidade da ida à escola e não cedendo às suas chantagens emocionais. Mas muito feliz por frustrá-la dentro de todos os seus “grandes” argumentos para a idade. Frustração se aprende em casa e na mais tenra idade. Obrigada

  7. Pingback: SEU FILHO PRECISA MESMO SER TÃO FELIZ? Fonte: Escrito por Cris Leão via Antes que eles cresçam |

  8. QUE ESSE TEXTO AJUDE A MAIORIA DAS FAMILIAS DE HOJE EM DIA .CONCORDO COM VC.FOI MUITO PROFUNDO E ESCLARECEDOR. PARABENS!!!!!!!!

  9. Pingback: Seu filho precisa mesmo ser tão feliz?

  10. Mesmo com filhos já adultos…amo ler seus textos…aprendendo sempre…e mais maravilhoso ainda é poder perceber que valeu e valerá a pena saber dizer “não” quando necessário!! Continue a perseverar!! Abraços

  11. Ótimo texto. Estou numa fase de dúvidas. Será que estou pronta para ser mãe? Será que estou pronta para educar um novo ser?
    “Todo grande passo na vida acontece quando a gente faz aquilo que é desconfortável”.
    Evoluir é a nossa meta.
    Parabéns. Bjos

  12. Ótimo texto. Tenho dúvidas se estou pronta para ser mãe. Se vou saber educar esse novo ser?
    “Todo grande passo na vida axontece quando a gente faz aquilo que é desconfortável”.
    Nosso objetivo é evoluir.
    Parabéns.

  13. Pingback: Doidas de tanta alegria | Maternidade – realidade indescritível

  14. Pingback: SEU FILHO PRECISA MESMO SER TÃO FELIZ? | SELETA online

  15. Pingback: Doidas de tanta alegria | Realidade Indescritível – Maternidade

  16. Pingback: Será que seu filho precisa mesmo ser tão feliz?

  17. Pingback: Considerações sobre simplicidade, ostentação e felicidade | Blog Oxente Menina

  18. O tempo passa e conforme ele vai passando as pessoas mudam, são idéias novas, hábitos novos e tudo em nossa volta vai mudando, uma criança que brincavam com os vizinhos a anos atrás pode amar e respeitar seus pais como uma criança que joga PlayStation 4 nos dias atuais, o que realmente importa é a constante presença dos pais na educação dos filhos. Ta… OK… Não estamos em um conto de fadas, mas então agora as crianças tem que ser tristes para aprender a respeitar?
    Pais a responsabilidade é sim de vocês proporcionar a maior felicidade do mundo para seus filhos, claro que tudo isso com educação, ou vocês preferem que eles busquem a felicidade nas drogas na prostituição, ou pior nas más companhias?
    A escolha foi sua de ter mais uma responsabilidade, agora abrir mão da felicidade dos filhos para se sentir mais aliviados nas outras atividades do dia dia?
    Se virem! Quem mandou fazer?!
    E outra nós temos que fazer o que nós damos conta de fazer, se no momento eu só tenho condições de fazer um programa no shopping, ótimo, se eu tenho condições de ir pra Disney eu vou.

  19. Pingback: Seu filho precisa mesmo ser tão feliz? -

  20. Pingback: Seu filho precisa mesmo ser tão feliz? - Dr. Alberto Jorge | Dr. Alberto Jorge

  21. Pingback: Será que seu filho precisa mesmo ser tão feliz?

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s