Home

Desde que entramos em uma escola Waldorf, fomos alertados sobre os muitos efeitos negativos que a televisão causa nas crianças. Hiperatividade, incentivo ao consumo, informações precoces, enfim, eu comecei a dosar a quantidade de televisão em casa. Mas quando entramos na escola Waldorf aqui em Miami, a coisa foi um pouco diferente. Tivemos que assinar um contrato dizendo que nossos filhos não iriam assistir televisão. Com aquele gingado brasileiro, assinamos mas não estávamos pensando em levar aquilo assim tão ao pé da letra. Se é que você me entende.

Acontece que logo que conheci o professor do João, fiquei muito encantada com a seriedade e comprometimento dele. Ele veio em nossa casa nos conhecer antes do início das aulas. Como de cara não viu nenhuma televisão, demonstrou uma tranquilidade ao falar: Ah, vocês não têm televisão? E nós respondemos com o rabo entre as pernas: É… na verdade temos. Mas eles assistem pouco. E o professor falou: Eu peço para que o João assista apenas nos finais de semana. Porque o cérebro da criança precisa do sono para assimilar o aprendizado. Se durante o dia, houve o estímulo da televisão com suas cores, informações, sons, imagens e mensagens muito fortes, o cérebro vai usar a noite para assimilar isto, não o aprendizado da escola.

E isso para mim fez todo o sentido, me lembrei das várias vezes que o João acordou no meio da noite falando sobre o filme que tinha assistido, ou acordou com pesadelos relacionados às histórias dos filmes. Então essa frase do professor foi suficiente para eu não precisar ler as 3 páginas de estudos de Harvard que a escola distribuiu comprovando a relação direta entre excesso de televisão e Déficit de Atenção, dificuldade de aprendizado e descontroles emocionais e na visão, devido a exposição à telinha. Respirei fundo, e como regra você tem que falar uma vez só e seguir em frente, com muito medo de fracassar, disse com toda certeza: A partir de hoje, televisão só no final de semana.

Isso foi em Agosto, minha gente! Estamos há quase 6 meses sem televisão nos dias de semana. E de lá para cá, a vida mudou muito por aqui. Eu fiquei mais cansada, mas até aí tudo bem, afinal cuidar deles é meu trabalho agora. Mas eles ficaram mais calmos e agora têm tempo para brincar. Aqueles brinquedos no armário não são mais meras peças decorativas.

Incentivo que façam o mesmo. Estabeleçam uma rotina. De 2 às 4 brincar livre. (E eles que se virem para achar graça em alguma coisa, se for para ficar com tédio, fica. Que problema tem isso?) De 4 às 4:30, lanche. De 4:30 às 5:30 colorir, pintar, desenhar, fazer um cartão para a vovó, fazer biscoito, enfim trabalhar com as mãos. Depois é banho, jantar e história para dormir. (Sim, sem a tv, o sono chega mais cedo) E pode variar, claro. Segunda e quarta de 2 às 4 é dia de passeio. Pode ser com a babá ou avó, não importa. O que importa é a rotina. Criança adora sentir que não está “solta”. Lembra aquele paninho (cueiro) de enrolar bebê, que eles ficam super calminhos? Pois a rotina dá essa sensação para os grandinhos também.

E quando a televisão fica seletiva, você percebe como a maioria do que passa ali é inadequado para as crianças. Excesso de barulho, excesso de efeitos especiais, excesso de gírias, ironia, muitas vezes excesso de bullying e excesso de publicidade. Aliás, até os próprios filminhos incentivam o consumo. Um dia eu vi a Barbie falando: “Amigas, esse vestido está fabuloso, ou está muito “last week” (semana passada). Fala sério. Inclusive, no que sua filha vai sair ganhando em ter a Barbie como influência para o que quer que seja?

Acredite. Sua vida vai mudar muito quando a televisão deixar de ser a protagonista da história da sua casa. As crianças param de pedir o tempo inteiro para você comprar o que viram ali e a imaginação volta para o lugar onde precisa estar: dentro delas.

Leli arvore Antes que eles crescam

João, Leli e Pipo Antes que eles crescam

Craft Antes que eles crescam

João e Leli molhando as plantas Antes que eles crescam

Ah, e agora eles têm mais tempo para ajudar nas tarefas de casa. Molhar as plantas é uma delas. : )

Por Cris Leão

Gostou? Leia também:

O que eu ganhei parando de trabalhar para ficar com meus filhos.

Delicadeza gera delicadeza.

Desligue o celular e ligue para seu filho.

129 pensamentos em “O que nós ganhamos quando a televisão saiu de cena

  1. Primeiro parabéns pelo blog, estou acompanhando há alguns meses. Muito interessante o tema de hoje, gostei e acredito que a vida muda muito sem TV. Não deve ser nada fácil. Poderia compartilhar o artigo? Ficaria muito grato. Desejo muito sucesso!!!!

  2. Bom dia, Cris. Concordo plenamente que a televisão faz mais mal que bem. Eu, como castigo, tirei a TV dos meus, enquanto eu não estiver em casa, sem nem ao menos sonhar que existisse esse estudo, e o que aconteceu? Meus filhos melhoraram muito, na criatividade, dormem melhor, cuidam mais da casa. Esse é um fato inquestionável. A TV atrapalha sim, levam eles a acreditar, a dar valor a coisas que na verdade não tem tanto valor assim. Minha filha, depois de ficar sem a TV, passa a maioria do tempo livre dela, costurando roupas pras bonecas, e é cada modelito lindo, dignos de passarela de alta costura, as amiguinhas da mesma idade (11/12 anos) só pensam em namorar e redes sociais (para o mesmo fim: meninos). Eu, enquanto isso, vou adorando ver minha estilista desenvolvendo sua criatividade e de quebra, sendo criança.
    Bjos

    • Vou procurar. E dou um jeito de publicar aqui. Mas mesmo na internet é possível encontrar os vários estudos feitos por universidades provando os efeitos colaterais da televisão. Isso só não vai aparecer no Jornal Nacional. ; )

  3. Obrigada pelo post, adorei. Na verdade não tenho muito problema e vício com a tevê, é mais com iPad, jogos de computador online ou PCPs… Para mim, todas farinha do mesmo saco embora o meu filho, de oito, acha que são todas diferentes… Fiquei curiosa: essas outras coisas estão liberadas para vocês entre semana?

  4. Olá Cris, não tenho filhos ainda, mas realmente concordo com você. Tenho uma sobrinha de oito anos e adora ver desenhos da Barbie, acaba dormindo tarde e fica agitada. Recomendo, se você ainda não o leu, o livro “Crianças francesas não fazem manha”. Ele é ótimo. Abr.

  5. Não consegui encontrar o artigo que mencionei no texto. Mas na escola me deram um artigo de uma médica pediatra e associada ao Behavioral and Developmental Pediatrics da University of California. Vou tentar (quando possível) transcrever e traduzir o texto porque dá uma visão bem ampla e clara sobre o assunto. (o problema é que são 8 páginas) Mas para já, para quem se interessar, aqui está um pouco da vasta bibliografia apontada por essa mesma pediatra: Buzzell, Keith. :”The Children of Cyclops: The influence of Television Viewing on the Developing Human Brain”; Everett, Miles. “How Television Poisons Children´s Minds”; Gross, Liza. “Current Risks: Experts finally link Electromagnetic Fields and Cancer”; Healy, Jane. “Endangered Minds: Why Children Don´t Think and What We Can Do About It”; Mander, Jerry. “Four Arguments for the Elimination of Television”; Scheidler, Thomas. “Television, Video Games and the LD Child.” Winn, Marie. “The Plug-in Drug” este é a editora Penguin. Pode ser que tenha no Brasil. Os outros são publicações científicas, mas é possível encontrar na internet. E posso garantir por experiência própria, o trabalho para quem está com as crianças aumenta, mas o ganho é gigante. Bora lá, desligar a tv. ; )

  6. Olá! Amei o artigo! Creio que, da mesma forma, o acesso à internet deva ser limitado. E não é pra disseminar a alienação! Ao contrário! Qualidade de vida familiar e relação humana! Abraço!

    • Sem dúvida, Lia! Nem entrei nessa questão porque meus filhos têm 4 e 8 anos e nunca ficaram no computador ou na internet. (Nem sabem como funciona) Minha questão com eletrônicos era só a tv mesmo. E o fato é que ficamos acostumados à ela e nem percebemos o quanto estamos perdendo com isso. Abraço!

  7. Adorei isso. Minha mãe sempre conta que quando era pequena elas podiam escolher apenas um programa para assistir. Quando meus primos nasceram minha tia fazia a mesma coisa e eu achava estranho. Meus pais sempre me criam super livre e eu acho isso ótimo também, mas com esse texto conseguir ver o outro lado.

  8. Amei o texto! Eu já perdi o habito de assistir TV, mas ainda “brigo” muito para tirar esse habito das criancas até pq outros membros da familia com quem eles convivem tem esse habito. Vou compartilhar o texto com eles! Show!

  9. Achei ótimo esse artigo concordo plenamente pois eu criei minhas filhas sem a tv.elas não sentiram falta,foram sempre exelentes alunas na escola…..os pais que consegirem dexar os filhos sem tv. logo veram os resultados..

  10. Amei o post Cris! Minha filha tem 4 anos, ela já acorda e vai direto pra TV, fica até ir pra aula as 13h. Quando chega vai direto pra TV. Que bom que escreveu esse tema. Amanha vou começar a trabalhar essa questão com ela, sei que vai dar certo, pois viajei recentemente e, onde fiquei não tinha canal infantil, brincou o tempo todo com as amigas sem reclamar, dormia até mais cedo. Uma benção! Parabéns pelo trabalho! Um bjo

    • Sem dúvida! Ficam mais calmos. Basta ver a reação deles. Se a tv estiver ligada e você desligar assim se supetão, começam a gritar e agir de um jeito tão agressivo que fica claro o efeito da telinha sobre eles. Vai em frente! Bjo

  11. Adorei o post! minha filha de 3 anos só assiste a DVD infantil, o qual já sabemos o conteúdo e todas as falas….Isso tbm é prejudicial???

    • Oi Gislaine, o que se sabe é que o cérebro não precisa pensar quando assiste tv ou filmes. O filme entrega tudo pronto. Por isso todo mundo adora ligar a tv depois de um dia exaustivo de trabalho, não é? Para descansar a cabeça. Acontece que a criança está se formando. Se não aprender a pensar enquanto ainda é pequena, vai ficar mais difícil lá para frente. Eu optei por não deixá-los ter tv, filmes, computador, Ipad nada disso nos dias de semana. Sua filha ainda é um bebê, não precisa aprender a pensar agora. Mas o que vejo agora são meus filhos brincando, criando, fazendo coisas que só vão poder fazer na infância. E ela passa tão rápido…

      • Existem DVDs infantis e DVDs infantis. A maioria, na minha opinião, são veículos para merchandising e agregam de pouco a nenhum valor para os pequenos. Na dúvida, deem uma olhada no conteúdo antes, sem as crianças por perto para poderem julgar por si mesmo. (:

  12. As pessoas escrevem besteiras pela internet muitos acreditam. Meus filhos sempre assistiram TV e ainda assistem muito, mas são crianças calmas, inteligentes, sem problemas de aprendizagem, brincam muito, adoram ler livros e praticar esportes. Essas regras não servem para todas as pessoas!

    • Olá Alessandra, você tem todo o direito de discordar de qualquer texto do blog, mas este especificamente fala sobre algo que é provado em vários estudos científicos. Não é só uma opinião pessoal. Já escrevi o nome dos artigos científicos em um comentário, se tiver curiosidade, é só procurar. abs

  13. Eu cancelei a assinatura da tv a cabo aqui em casa faz duas semanas e já vejo diferença nas nossas vidas. Minha filha de dois anos continua assistindo desenhos, mas só os que compramos em DVD, como Peppa, Charlie e Lola, Winnie the Pooh e tudo com bastante limite, mas já sinto o alívio de não ouvir as propagandas dos canais de desenhos! Quem sabe ainda consigo me organizar para só deixar assistir nos fins de semana? Vou tentar!

  14. Cris, meu nome é Bárbara e eu sou editora do blog http://www.indiretasmaternas.com.br lá alguns autores enviam textos para serem publicados e gostaria muito de republicar seu texto em nosso blog, pela qualidade da informação passada. Sempre colocamos o nome do autor e link para o blog de origem em destaque no começo do texto. Fico aguardando sua resposta!

    Obrigada.

  15. Excelente texto! Estamos sem TV há mais de 1 ano. Começou a me incomodar a passividade da minha filha diante da telinha. Como ouvi em um documentário, a televisão amolece o músculo da imaginação!! Viver sem TV é possível e libertador!!Bjs

  16. Adorei esse texto!!!!!! Meus filhos assistem como a maioria tem dias que ficam mais agitados e outros não, e tem diad que eu não ligo e eles ficam brincando numa boa e gosto bem mais, e mostro isso pra eles e cvoncvordam comigo.
    Obrigada por esse texto.

  17. Republicou isso em Adri and her 3e comentado:
    Just when I was telling a friend that I am sad my husband bought a tv last December…I read this, and could not agree more! I will have to rewind 😉

  18. Eu não só acredito nisso, como já reduzi muuuuuito a TV ligada aqui em casa. Resultado: qualidade de vida! Vou divulgar esse texto na fanpage do meu blog! bjs Camila Vaz

  19. Parabéns pelo seu texto Cris. Você conseguiu se expressar de uma forma que que não ficou parecendo coisa de bicho grilo controlar a tv das crianças. Claro que a construção de uma família é muito mais do que diminuir a exposição das crianças a tv mas como vc acredito que passamos a escutar e ser escutados melhor sem o ruído da tv. Abraços.
    Ruth

  20. Olha estou sendo gradativa aos poucos ! Estou restirando a televisão da minha filha de 7 anos !Isso já faz um mês antes de de eu ler este texto e é fato a criança melhora mesmo em vários aspectos! Em casa montei um cronograma do dia pra minha filha ela está na escola na manha e quando chega ela almoça e tem 30 min de descanso logo faz tarefas e lê alguma coisa útil e faço perguntas a respeito do que leu ! Depois ela sabe que tem em media de 2 horas de descanso para fazer o que quiser … só que televisão é só de 10 a no máximo 30 minutos por dia! O fato gente é que agente também quer relaxar as vezes, e não queremos essa responsabilidade do cuidado integral, que muitas vezes agente mesmo não reconhece… mas está tao impregnado no nosso subconsciente, que sem perceber estamos sendo negligentes com os nossos filhos!

  21. Amei o artigo!!!!!
    Só gostaria de saber como é a rotina que vcs fazem no final de semana… e nas férias???? A tv pode ser liberada??? O que a escola sugere?

    • Oi Carina, a orientação da escola é nenhuma tv. Eu deixo a televisão nos finais de semana porque as crianças acordam às 7h e alguns dias simplesmente não dá para mim. ; ) Não temos empregada, nem babá, nem avó, nenhuma ajuda. Então coloco alguns filmes para eles assistirem e eu poder descansar um pouco mais. Nunca mais do que 2 horas. Ainda não tivemos férias muito longas depois dessa nova regra. Só em Junho eu vou saber. Mas o legal é que principalmente meu filho de 8 anos que adorava tv e via pouca graça nas outras coisas, cada dia mais gosta de montar coisas, inventar, está construindo um carrinho (sozinho) e cada vez mais disposto a ajudar na casa. Então o foco saiu da tv, isso é que o mais importa para mim. Beijos

  22. Oiii!!!!
    Uma amiga minha, que as crianças estudam pelo método Waldorf também que indicou o blog e adorei!!!
    Tenho uma bebê de quase 4 meses chamada Maria…
    Ela é um amor, calma, tranqüila!!!
    E como gosto de ler, textos que servem de referência são muito bem vindos…
    Aliás, tenho um blog só sobre livros (mais romances)
    http://www.lereamar.blogspot.com.br
    Até mais!!!

  23. Olá Cris, parabéns pela iniciativa e pela divulgação dela no blog. Eu sugeriria a você retirar a TV inclusive nos finais de semana, pois por dois dias seus filhos ainda estarão expostos aos efeitos altamente nocivos da propaganda. Eu sou formada em Publicidade, e depois de conhecer a midia por dentro, aboli a TV de minha vida, há 22 anos já.
    Aqui, um documentário que vale muito a pena ver chamado “Criança, a alma do negócio.” Sobre os efeitos da propaganda nas crianças.

    Abraços

    • Oi Luciana! Também sou publicitária e conheço esse documentário. O único motivo por não ter tirado dos finais de semana, para ser bem sincera, é para eu e meu marido podermos dormir um pouquinho mais. Não temos babá nem nenhuma ajuda por aqui, então pelo menos de 7 às 8h nos finais de semana, eu uso a ajuda da babá eletrônica. Mas assim que eles pararem de acordar tão cedo, eu quero tirar isso também. Abraço!

  24. Olá, tudo bem? Não tenho filhos, mas a experiência que minha irmã faz com minha sobrinha é +/- o q vc faz: Durante a semana, pouquissímo de TV. Ela chega da escola por volta de 13h, toma banho, almoça, descansa, assiste um pouco de TV e depois vai fazer os exercícios para casa, estuda e depois se quiser, lê um livro. Isso melhora muito o desempenho dela em sala de aula. Ela interage melhor com os colegas, é ativa, tem vida social, tem boas notas. Nos fins de semana, a TV é liberada, mas se tem alguma programação, não se prende. Se arruma e vai. Quando não tem nada para fazer, ela fica no iPad dela. Eu não sou fã de TV, aqui em casa, vemos muito pouco. Se um dia tiver filho(s) tentarei fazer a mesma coisa!
    Abraços!
    Aline.

  25. Muito bom ler esse artigo. Há 33 anos atrás já pregava o mal da TV. Me achavam uma mãe ” E.T.” Hoje, com todos os filhos adultos posso dizer o bem que fez não terem esse vício.

    • Oi Aliny, nós respondemos àqueles comentários que pedem uma resposta. Não é possível para nós responder a todos. E também achamos que é importante o espaço dos comentários ser dos leitores. Uma conversa entre vocês. A nossa opinião já foi dada no texto. Abraço

  26. Oi Cris Leao, seu texto provocou uma grande reflexão lá em casa e uma proposta de experimentar o mesmo (a partir de hoje). Contudo, agradeceria se pudesse me responde com os links para as ” 3 páginas de estudos de Harvard que a escola distribuiu”, já que também buscamos pautar nossas experiências em fatos científicos.

    Agradeço desde já! 😉

    • Oi Diego, dá uma lida nos comentários que eu já escrevi o nome de vários artigos científicos em resposta a outras pessoas que pediram. Abraço!

  27. Olá Cris,
    Coincidentemente conheço o Diego, embora ele more em outra cidade!!!
    Como ele, gostaria de ter os links para as paginas de estudo de Harvard.

    Gostei imensamente de seu artigo e penso que a TV, internet, etc são grandes devoradores de tempo e de vida não só da infancia e da adolescencia bem como de nossa vida adulta.
    A maior parte do que se vê na TV é prejudicial à mente e à sensibilidade infantis pois é artificial e impróprio para seu entendimento.

    Por isso penso que não é apenas o cérebro que fica prejudicado em função do excesso de estimulos visuais e sonoros.

    Pelo que venho observando, é a mente, que de fato é o órgão que tem assento no cérebro, que absorve grandes quantidades de imagens – a maioria negativas – as quais, com a repetição diária tornam-se imaginação e repercutem no que a criança experimenta à noite por exemplo. Estas imagens voltam nos sonhos ou pesadelos.
    Por isto sempre cuidei daquilo que meus filhos faziam durante o dia. Se vissemos TV, eram programas selecionados e com nosso acompanhamento sempre, fazendo com que pensassem sobre o que estavam assistindo.
    Isso auxilia a formar a capacidade de exercerem seu livre arbítrio.
    Quando meus filhos eram pequenos, os orientei a prestar atenção no que sentiam quando assistiam alguns programas e surgissem cenas violentas ou com outros estimulos fora da capacidade de entendimento deles.
    Dizia-lhes que não eram lata de lixo.
    Os orientava para que cuidassem de seus sentimentos.
    Se algum programa estivesse lastimando seu sentir deveriam exercer o livre arbítrio e mudar ou desligar a tv.
    Evidentemente eu permitia que vissem programas que eu e meu esposo selecionavamos: desenhos afinados com a realidade da criança, documentarios cientificos, etc.

    Hoje, os aconselho a evitar a TV e buscar educar seus filhos evitando mesmo assitir os programas atuais.
    Eu tive dúvidas quanto a banir a TV totalmente porque há algumas raras excessões em que o conhecimento é oferecido de forma estimulante. Na infancia deles o canal permitido em casa era a tv cultura. E só. E com tempo bem restrito.
    Penso que esta atitude da escola Waldorf propicia que a criança e o adolescente tenham direito de viver a vida natural. A TV e internet são condutores de uma imensidão de conceitos artificiais que aprofundam o vazio dentro de cada um ao capturar a atenção e direciona-la para fora afastando a pessoa de si mesma.

    Preocupada justamente com toda essa avalanche de estimulos artificiais propagada pela TV e uso indiscriminado dos varios meios e midias, criei uma livraria contendo livros infantis que estimulem a criança a penetrar no proprio mundo interno e descobrir as maravilhas que existem dentro dela e as maravilhas que estão fora dela na natureza. http://www.cultivalivros.com.br

    • Oi Jasel, parabéns pelo site. Eu sou completamente apaixonada por literatura e acho mesmo que os livros nos ajudam muito mais do que podemos imaginar. Uma pena que a maioria das pessoas passam muito mais tempo na frente da tv do que na frente de um livro.
      Como eu já disse em comentários anteriores, não tenho mais os artigos de Harvard e a escola também não. Mas já publiquei em um comentário antigo uma longa lista de estudos científicos publicados no meio médico americano. Sinceramente, acho que a diferença se nota e a “experiência” dá para ser feita em casa mesmo. Não precisa ser a de Harvard para ser a verdadeira. Grande abraço!

      • Como disse um grande educador e filósofo, “devemos nos guiar pelos resultados”. Se uma experiencia funciona bem, não é necessario que haja algum endosso cientifico. Penso que o proprio resultado evidencia ou não o nosso acerto. Gostei muito de sua generosidade ao publicar seu artigo tão importante para as reflexões que devemos fazer frente aos crimes contra a infancia que vem sendo perpetrados pelas programações ditas ” infantis”.
        Abraço.

  28. Texto muito claro, objetivo e útil. Parabéns. Estou grávida de 1 mês, super ansiosa e feliz. Mas penso o tempo todo em como criar meu filho nesse mundo cheio de maldade. Espero fazer o meu melhor, por isso busco sempre informações. Então, muito obrigada por ter compartilhado sua experiência.

  29. Oi Cris, tenho um filho de 6 meses e às vezes coloco episódios da baby tv pra ele eassitir…são desenhos educativos e com musiquinhas bonitinhas (melhor que galinha pintadinha)…não deixo assistir discovery kids e outros desenhos. Só que tem um detalhe…ele dorme super tarde…geralmente lá pelas 23hs e até lá eu deixo a tv da sala ligada com a novela…percebo que ele mal olha pra tv, mas pelo que vc viu, acha que mesmo sem ele prestar atenção na tv na hora da novela pode prejudicá-lo?

    • Oi Karina, não só o conteúdo da tv pode prejudicá-lo como dormir às 23h para um bebê é super prejudicial. Sei que dá um trabalho incrível ter a rotina de colocar o bebê para dormir cedo. Você precisa não desfocar nem um minuto para conseguir dar o jantar sempre às 18:30, começar a escurecer a casa e acalmar o ambiente para que ele possa dormir as 20h no máximo. É o que todos os pediatras que conheço recomendam e te falo por experiência própria que faz uma diferença brutal na saúde e comportamento do bebê. A tv por outro lado, excita e por isso o sono passa. Dentre os muitos prejuízos que isso gera a saúde, está mais do que comprovado que o hormônio do crescimento só atua de 20h à meia noite. Então no caso seu bebê está tendo uma hora de hormônio de crescimento. Agora como ele é muito pequeno (6 meses) você pode não perceber nada, mas no futuro essas horinhas de sono vão fazer muita diferença para ele. Dá uma olhada neste post https://antesqueelescrescam.com/2013/11/28/hora-de-dormir-amem-2/ tem inclusive o link de uma entrevista com um pediatra sobre este tema. E você vai adorar ter um bebê que dorme cedo! Acredite!

  30. “Acontece que logo que conheci o professor do João, fiquei muito encantada com a seriedade e comprometimento dele”

    Será mesmo que ficou encantada com a seriedade e comprometimento ? kkkkkkkk

  31. Gostei da ideia; só que aqui em casa os horários da minha filha sempre foram assim: cada hora tem sua atividade. Por exemplo: hora de estudar (tarefinha da escola), hora de brincar com mamis e pai, ou livre com amiguinhos, hora de ver DVD de musica, hora de visitar familiares (brincar), hora de pintar( tinta, lápis,..) hora da historinha, hora de brincar com marcinha e ver desenhos(da idade da criança e sempre atenta no texto do desenho, se tem alguma palavrinha que não pode) ou filminhos…Compro livrinhos com atividades, baixo no tablet jogos educativos. Temos TB a hora do jogo: quebra cabeça, memoria, domino… E nos fins de semana passeios a vontades. Preparo de lanches: com massas ou frutas, ou grãos, dou um pouquinho pra crianças, ir brincando ajudando na preparação e tb na arrumação ehehhe. Aqui em casa e difícil assistir tv, nunca gostei de novelas, e quando assisto tv e naqueles canais de artesanato ou culinárias; e meu esposo raramente ver um jogo. E não gosto de ta enchendo a criança de brinquedos. Adotei essa rotina para não deixar a criança largada, sem atenção, ou só na tv e no vídeo game. ;))

  32. Olá, adorei muito muito o tema e seu artigo. Aproveito para falar de um livro que tem tudo a ver com isso e que eu adorei, de uma mãe que decide se “desconectar” por 6 meses, e leva junto seus filhos adolescentes. O livro trata então de várias reflexões sobre o uso do tempo etc que deixa de ser “aproveitado”. O livro se chama “O inverno da nossa desconexão”, de Susan Maushart. O link é esse http://www.amazon.com/The-Winter-Our-Disconnect-Technology/dp/1585428558. Apesar de não ter crianças, eu e meu companheiro tentamos viver de forma “desconectada” 🙂 E lemos, costuramos, cuidamos das plantas muito mais. Muito legal seu atitude, que mais pessoas vejam quão mais saudável a vida sem televisão e mais criatividade é! xxx

  33. Parabéns pelo texto! Sempre pensei que quando tivesse filhos não gostaria que eles assistissem televisão. Eu tenho TV apenas para assistir filmes no DVD, não tenho nem TV aberta. Porém meu medo sempre foi que na escola os coleguinhas comentassem e meus filhos ficassem se sentindo deslocados. Tenho me sentido cada vez mais segura com essa posição de permanecer sem TV, usando-a somente para programas selecionados, como filmes infantis, e apenas nos momentos apropriados. Obrigada!

  34. Ola, sem o estudo comprovando isto é mais um pensamento como eu também que deve ser melhor para a criança não assistir TV, principalmente canais abertos. Acredito no sua opnião mas ao publicar algo já temos de deixar as fontes, se não, basta ir no Facebook, lá tá cheio destas teórias e boatos.

    • Caro Amauri, isso é um blog, não é um jornal ou uma revista. Mas mesmo assim eu passei vários links de estudos científicos. Se gastar um tempinho em ler os comentários vai ver. Mas aqui te passo outros nomes de estudos científicos, é só procurar na internet: Endangered Minds: Why Our Children Don’t Think by Jane Healy; Failure To Connect: How Computers Affect Our Children’s Minds For Better and Worse by Jane Healy; Four Arguments for the Elimination of Television by Jerry Mander; The Plug-In Drug by Marie Winn; Evolution’s End: Claiming The Potential of Our Intelligence by Joseph Chilton Pearce.

  35. Oi Cris,acabei de conhecer seu blog e a seguirei.Acho fantastica essa iniciativa.
    tnho dois filhos :8e10.Vejo dificuldades em mudar rotina,mas acredito q nunca é tarde ;ha um mes ,me mudei de casa,os mudei de escola,e reescrevi uma nova rotina.pois no local anterior nao conseguia, mesmo querendo muito.HOje estabeleci horarios e metas e compartilhei com eles.retirei tablest,video game e computador.estava ainda deixando a tv,porem hj mesmo(q conheci seu blog) vou ir diminuindo a tv até ficar só aos finais de semana.Sei que vamos ficar mais unidos.Ah tbm reduzi a jornada de trabalho..ou “o q será das nossas criancas?”..
    Parabens
    gde abraço

    • Oi Raquel, pela minha experiência é melhor tirar de vez do que só reduzir. (Pelo menos tirar nos dias de semana) Porque se não fica uma luta diária. Eles sempre vão tentar te convencer a deixar um pouquinho mais. Minha opinião. Obrigada pelo comentário. Abraço!

  36. Cris, gostei muito do seu depoimento e concordo em gênero, número e grau. Minhas filhas também estudam em escola Waldorf, mas ainda não consegui tirar delas a televisão nos dias de semana. Gostaria de te perguntar uma coisa, esta regra que você colocou aí na sua casa, vale somente para os pequenos? Depois que eles dormem vocês assistem? Como funciona? Quero dicas para poder tentar implantar algumas iniciativas aqui em casa. Grande abraço e continuem com esse trabalho delicioso que vocês fazem!

  37. Olá Chris! Adorei seu blog.e su super adepta à vida.sem televisao. Ja faz mais de 10 anos que passo meses.sem chegar.perto e so ligo.quando realmente tem algo importante acontecendo no brasil ou no mundo. Recentemente ganhei minha primeira filha e comecei um blog. Estou escrevendo um post sobre criancas e televisao gostaria de colocar esse seu post como recomendacao de leitura se me autorizar. Obrigada, Patricia

  38. Pingback: 13 de fevereiro de 2014 – Quinta-feira | Minha vida de mãe

  39. Bom dia.
    Belo artigo.
    Cite-se ainda a questão ideológica. A televisão é o veículo midiático mais eivado de interesses ideológicos que existe. Para um adulto, já é difícil escapar do “determinismo” midiático; uma criança é presa fácil. Uma CNN, Fox, Globo, por exemplos, jamais irão privilegiar o discernimento, a reflexão. São aparelhos de dominação; e muito eficientes. A minha geração, apesar da televisão, fez carrinhos de lata, rádios de galena, etc. Justamente porque a televisão ainda não era tão onipresente. Hoje é incentivar os pequeninos a criar, contar histórias, praticar esporte e sair, o quanto puder, de perto da maquininha de fazer autômatos.

    Morvan, Usuário Linux #433640. Seja Legal. Seja Livre. Use Linux.

  40. Olá Cris, adorei o post e o blog é sensacional. Estou com um grande problema, faz uns meses que resolvi não ligar a tv e isso só trouxe benefício para o meu filho de 2a3m e para toda a família é claro. Mas ele entrou na escolinha nesse início de ano e adivinha com quem dou de cara? Uma televisão na sala de aula, posso com isso, fiquei vendo até onde isso vai dar essa semana meio filho chega pedindo p ligar a tv e contando várias músicas relacionadas a bendita. Não sei o q fazer.

    • Oi Natália, não dá para mudar de escola? Porque sinceramente no tempo da escola ficar assistindo televisão é pior do que ruim. Porque em casa, quando ele vê tv (se assistir) é um tempo que você ganha para poder fazer alguma coisa com mais calma, mas ele vendo na escola, nem isso você ganha. Quem ganha é a professora. Aliás, questione nisso na escola. Se é para as crianças assistirem tv, o que a professora está fazendo? Talvez se juntar com outras mães, vocês podem mudar isso na escola. Boa sorte!

  41. ajudou muito a tomar a decisão que estávamos ensaiando há algum tempo aqui em casa!
    acho que não vai passar desse carnaval, não… muito grata por seu texto :))
    beijo grande

  42. Oi Cris, tudo bom?

    Li seu texto, compartilhado por uma amiga querida, há uma semana.
    No começo achei que fosse loucura e que eu não conseguiria.
    No dia seguinte, depois de pensar bastante, resolvi fazer essa proposta para os meus filhos (06 e 10 anos). Eles toparam o desafio de uma semana.
    Bom, no 1º dia disseram que estavam entediados, mas (re)apresentei os brinquedos esquecidos e o sucesso foi imediato!
    Durante essa semana tivemos como saldo: 2 livros lidos pelo mais velho (livros grandes) e 3 pelo mais novo, que se descobriu leitor. Fora isso, brinquedos revirados, brincadeiras descobertas e muita conversa em família.
    O sono chegou mesmo mais cedo e o dia já começa melhor.
    Passada essa semana, perguntei se sentiram falta da TV e a resposta foi um sonoro NÃO.
    Já estamos entrando na segunda semana e, mesmo que tenha liberado aos sábados e domingos, o caçula viu tão pouco hoje e com tão pouco interesse, que não percebeu quando desliguei. E o mais velho está brincando na rua com os amigos.
    Como incentivo (e não prêmio), ganharam mais um livro cada! Mas já sabem que isso não vai acontecer sempre…
    Estou super feliz e agradecida a você.
    Não vou desistir. Até mais!!

  43. Nada é bom ou ruim por si só. Tv tb tem ótimas coisas, tem muita coisa educativa e estimulante no bom sentido. Como tudo na vida tem que saber usar e dosar. É como a internet: veio para ficar. Tem que equilibrar tudo. A mãe nem quis ler apenas 3 paginas de um estudo de Harvard, então não deve ser alguém que goste de ler ou incentive o aprendizado que bons programas de tv podem dar. Eu mesma assisto ótimos programas de tv e aprendo muito. (detalhe: nunca assisti BBB/existe vida na tv além da Globo). O radicalismo nunca é saudável.

  44. Muito queridas e estimadas. Os hábitos são nossos, mas a doença é de todos. TV, celular e outras coisas são p/ muitos uma saída de um mundo ruim. Experimente isso. Não veja a imagem, apenas o som. A memória trabalha ou pelo som ou pela imagem. Sugiro o som porque a milhares de anos o homem aprendeu a confiar nos ouvidos e duvidar dos olhos. A televisão ensina o que os pais deixam ela ensinar ou “desensinar”. Preguiça e falta de amor. Falta de regras porque ter regras dá trabalho e ensina-las dá mais trabalho ainda. Abraços- João A.P.Costa. professor do ensino fundamental especialista~.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s