Home

Semana passada chamamos uma amiga da Maria Teresa para vir brincar em casa e como é de costume aqui, a mãe também veio junto com um filho bebê. Entre um desabafo e outro sobre o trabalho que dá ser mãe (e enquanto o filho dela bebê tirava TODOS os brinquedos do lugar.) Ela falou: quer saber? Passei 7 anos lutando contra o câncer e te falo com toda certeza, vencer um câncer é fácil perto do que é ser mãe. De tão trágico, até engasguei com a pipoca que estava comendo. 

Fôlego recuperado, ela continuou o desabafo contando das noites sem dormir, da pressão financeira por ela não estar trabalhando, mas do preço para deixar o filho em um berçário (e quase sempre mal cuidado se comparado aos cuidados da mãe), da consciência que precisamos ter com a alimentação, da consciência que precisamos ter de que o casamento precisa de atenção também, da consciência que precisamos ter que nossos pais agora precisam da nós, da dificuldade que saberemos que vamos encontrar se demorarmos muito a voltar ao mercado de trabalho e ao mesmo tempo a constatação de que é complicado trabalhar se a escola começa às 9h e termina as 15h. E concluímos juntas, compensa trabalhar para pagar babá custando 500 dólares por semana? Sem contar que babá não vai fazer o almoço que as crianças precisam levar na escola, não vai fazer supermercado, não vai limpar a casa. Sem contar nos muitos feriados escolares (bem mais do que para quem trabalha) e os 3 meses de férias escolares (versos 20 dias de férias para quem trabalha aqui). Enfim, quanto mais a gente conversava mais a equação parecia impossível. E eu falei: Ok, vamos mudar de assunto. E começamos a falar sobre receitas vegetarianas, Rudolf Steiner, o abuso aos animais pela indústria alimentícia. Enfim, papos complexos mas ainda assim bem mais leves do que maternidade. Calma não desista de ler o texto. Prometo que vai melhorar.

A conclusão que eu chego é que sim, está difícil criar filhos e está difícil a vida. Está mais difícil do que sempre? Se pensar que faz 94 anos que as mulheres começaram a ter o direito de votar nos Estados Unidos, que há pouco mais de 100 anos no Brasil ainda existia escravidão, pelo menos agora o presidente dos Estados Unidos é negro, a presidente do Brasil é uma mulher e existe fralda descartável. O que eu sei, é bom para as mães mas é péssimo para a mãe natureza. Viu? Por mais que a gente tente, para viver leve é preciso ou ser muito burro (o que sempre é uma opção) ou se concentrar para se equilibrar e exercer a sabedoria de não querer ter o controle sobre tudo e focar no que realmente importa. Ou como diz o mantra do Frozen “Let it go”. Traduzindo para português, não deixe para amanhã o que pode deixar pra lá.

Impossível tocar nesse assunto e não referir ao blog e movimento “Hands Free Mama”. (Mãe com mãos livres) Essa é a proposta da escritora e educadora Rachel Macy Stafford. Aqui está o link do blog para quem quiser ler mais sobre o assunto. (em inglês) Abaixo, fiz uma pequena tradução que é pouco comparado a tanta beleza e inspiração que ela coloca no blog, mas já é um primeiro passo para inspirar quem quer, como eu, exercer o mantra “let it go” e estar presente naquilo que realmente importa.

Eu estou aqui. (agora) E hoje, isto é o suficiente.

Quando sua crítica interior disser, “Você falhou de novo. Você deveria desistir. Ninguém precisa de você.” Lembre-se dessas palavras: Alguém precisa.

Alguém conta que você vai estar lá quando ele acordar.

Quando ela vai dormir.

Quando ele está com medo.

Quando ela está feliz.

Quando ele está triste.

Alguém conta que você vai estar lá.

Não perfeito.

Não sem nunca gritar.

Não com todos os músculos torneados, com a aparência incrível e cheio de estilo.

Mas presente.

Não sempre calmo.

Não sempre sorrindo.

Não sempre bonito.

Mas presente.

Tentando e algumas vezes errando, mas se erguendo e tentando de novo.

Esperando ser um pouco melhor do que no dia anterior.

Então quando aquela vozinha dentro de você falar “não é o suficiente”,

Agarre-se a força que existe dentro de você e diga em voz alta, de uma vez por todas:

Eu estou aqui.

Eu estou presente.

Alguém está contando que eu esteja aqui e eu estou aqui.

Presente.

E hoje, isto é o suficiente.

Eu tenho tentado e acho que conseguido ir nessa direção, cada dia mais. Respirar está me ajudando. O truque é contar até 5 (enchendo bem os pulmões, levando as costelas ao extremo) para inspirar e até 10 para expirar. Quando estiver soltando o ar, visualize que tudo que não é importante está indo embora no vento. E depois me conta se isso adiantou alguma coisa. ; )

Por Cris Leão

21 pensamentos em “Em caso de emergência respire fundo

  1. Ah, Cris, eu não escreveria com tanta propriedade o mesmo sentimento. Em nossos desafios diários, não computamos as vitórias, mas as derrotas. Precisamos urgentemente nos reprogramar, já! bjs

  2. Olha,muito,muito obrigada. Ontem foi um dia difícil aqui. Dificuldades financeiras, cansaço, casamento em crise e uma criança no meio refletindo tudo isso… perdi a cabeça e a esperança,me julguei a pior mãe do planeta. No fim da noite ele me chamou p assistir Frozen. Entendi o recado implicito e agora de manhã esse texto. Não é fácil, mas é o único lugar do mundo onde quero estar hoje!!! Obrigada!

  3. Pode ser que com o treino eu consiga lá chegar…:- ) A verdade é que socialmente a pressão é tanta para sermos e fazermos tantas coisas que de repente o tempo passou e ora estamos a viver no passado ou no futuro mas não no presente. gostei muito da partilha…

  4. Cris, mais uma vez você nos dá um alento. Também deixei de trabalhar para cuidar dos filhos e, apesar de saber que estou fazendo a coisa certa, não é fácil. Fico reafirmando o tempo todo que estou no lugar certo.

  5. Oi Thammy, obrigada. A atitude “resmungadora” dessa mãe, é de muitas nós. Que atire a primeira pedra quem nunca pensou em jogar tudo pro alto ou se jogar embaixo da cama. ; )

  6. Ser mãe é árduo e maravilhoso!
    Então, diante de sentimentos tão conflitantes, nada mais normal que as crises venham. Mas a gente sempre supera, afinal, somos mães! rs ❤

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s