Home

Talvez você já tenha ouvido falar desse livro: O Livro das Virtudes para Crianças. Ele é de 1995. Queria compartilhar aqui porque acho que virtudes é o tipo da coisa que nunca cai de moda e faz parte do pacote “educação vem de berço” ou seja, é papel de pai e mãe ensinar para os filhos. Eu ganhei esse livro logo que cheguei aqui em Miami de uma mãe da escola que nasceu na Áustria, tem família Argentina mas passou a infância no Brasil e por isso tinha esse livro e me deu. Amei. Além das histórias, as ilustrações são lindíssimas.

O livro abrange os temas coragem, responsabilidade, disciplina, compaixão, fé, honestidade, lealdade. Já falamos aqui como as crianças aprendem por outros sentidos que não só a razão e por isso as histórias e a fantasia são tão importante para elas. Tomara que aprendam a lição que vou passar aqui com a historinha Por Favor de Alicia Aspinwall.

Boas crianças aprendem boas maneiras (às vezes com seus irmãos e irmãs)

Havia uma vez uma pequena expressão chamada “Por Favor” que morava na boca de um garotinho. Os Por Favor moram na boca de todo mundo, ainda que as pessoas se esqueçam com frequência que eles estão ali.

Mas para ficarem fortes e felizes, todos os Por Favor devem ser tirados das bocas de vez em quando, para tomar um pouco de ar. Sabe, eles são como peixinhos de aquário, que sobem à tona para respirar.

O Por Favor do qual irei falar morava na boca de um menino chamado Duda. Só uma vez, em muito tempo, o tal Por Favor teve oportunidade de sair, pois Duda, lamento dizer, era um menininho muito malcriado; que quase nunca se lembrava de dizer “Por favor”.

– Dê-me um pedaço de pão! Quero água! Dê-me aquele livro! – era deste jeito que ele pedia as coisas.

por favor antes que eles crescam

Seus pais ficavam muito tristes com isso. Já o coitado do Por Favor ficava na ponta da língua do menino, aguardando uma oportunidade para sair. Estava cada dia mais fraco.

Duda tinha um irmão mais velho, chamado João. Tinha quase dez anos; e era tão educado quanto Duda era malcriado. Por isso, o seu Por Favor recebia muito ar e era forte e bem-disposto.

Um dia, no café da manhã, o Por Favor de Duda sentiu que precisava tomar ar, mesmo que para isso tivesse que fugir. Foi o que fez – fugiu da boca de Duda, e inspirou longamente. Depois, arrastou-se pela mesa e pulou para a boca de João.

O Por Favor que morava lá ficou muito zangado.

– Saia! – ele gritou. – Aqui não é o seu lugar! Esta boca é minha!

– Eu sei -, respondeu o Por Favor de Duda. – Eu moro na boca do irmão de seu senhor. Mas, meu Deus! Não sou feliz lá. Eu nunca sou usado. Nunca recebo ar puro! Pensei que você me deixaria ficar aqui por um dia ou dois, até eu me sentir mais forte.

– Mas é lógico -, disse gentilmente o outro Por Favor. – Eu compreendo. Fique; quando o meu senhor me utilizar, sairemos os dois. Ele é bom, e eu tenho certeza de que não se importará em dizer “por favor” duas vezes. Fique o tempo que desejar.

Ao meio dia, no almoço, João quis um pouco de manteiga, e falou assim:

– Papai, pode me passar a manteiga, por favor – por favor?

– Pois não -, disse o pai. – Mas por que tanta polidez?

João não respondeu. Voltou-se para a mãe e disse:

– Mamãe, dê-me um bolinho, por favor – por favor? A mãe sorriu.

por favor antes que eles crescam

Vou lhe dar o bolinho, querido; mas por que você diz “por favor” duas vezes?

– Eu não sei -, respondeu o João. – As palavras apenas saem. Tita, por favor – por favor, me dê um pouco d´água!

Nesse momento, João ficou um pouco assustado.

– Tudo bem -, disse o pai. – Não há problema nenhum. Mas não se deve dizer tanto “por favor” neste mundo.

Enquanto isso, o pequeno Duda continuara gritando daquele seu jeito mai-educado:

– Quero um ovo! Quero um pouco de leite! Me dá uma colher! – Mas, então, ele parou e escutou o irmão. Achou que seria engraçado falar como João; por isso, começou: – Mamãe, dê-me um bolinho, m-m-m?

Ele estava tentando dizer “por favor” – mas como?

Ele não sabia que o seu pequenino Por Favor estava sentado na boca de João. Tentou outra vez, pedindo a manteiga:

– Mamãe, passe a manteiga, m-m-m?

E só conseguiu dizer isto.

por favor antes que eles crescam

A coisa continuou o dia inteiro, e todos ficaram imaginando o que havia de errado com os dois meninos. Quando anoiteceu, ambos estavam muito cansados, e Duda estava tão aborrecido que a mãe os mandou mais cedo para a cama.

Mas na manhã seguinte, logo que se sentaram para o café, o Por Favor de Duda correu de volta para casa. Ele tinha tomado tanto ar puro no dia anterior que estava se sentindo bastante forte e feliz. E, no momento seguinte, ele foi outra vez arejado quando Duda falou: – Papai, por favor, corte a minha laranja! Meu Deus! A expressão saiu fácil, fácil! Soava tão bem como quando João a pronunciava – e João estava falando somente um “por favor” naquela manhã. E daquele dia em diante, o pequeno Duda tornou-se tão educado quanto o irmão.

Gostou? As crianças daqui de casa gostaram. E até pediram para, Por Favor, eu ler outra história. ; )

Cris Leão

5 pensamentos em “Ensinar virtudes

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s