Home

antesqueelescrescambebeconfortoSabia que usar demais pode trazer dificuldades mais adiante? Artigo do Dr. Aranha, pediatra antroposófico, sobre essa cadeirinha que tanto amamos.

“Não dá pra negar o sucesso desse artigo no enxoval de qualquer bebê. Ele ajuda enquanto a criança pode se mexer pouco e é um apoio para que as mães possam descansar por alguns minutinhos, que seja. Mas, em torno do terceiro mês de vida, oriento os pais a tirarem seus filhinhos do aconchego e da maciez do berço e os colocarem no chão sempre que estiverem acordados. Assim vão sentir uma superfície firme, ampla e segura, em outras palavras, a Terra.

(PS do blog: pode até ser um tatame, um EVA, um colchão firme, não necessariamente o corredor da casa. Ou o chão coberto por um cobertor, um tapete não muito sujo…) 

Essa mudança de ambiente provoca uma reação estimulante. O bebê, nesta fase do desenvolvimento, quando colocado de costas ou de bruços, não se satisfaz com a cara enfiada no chão. Muito menos de ficar olhando para o teto. Ele quer estímulos. E para isso tem que ser ativo, virando a cabeça, o corpo, os membros. Mas não vai fazer nada disso se estiver em uma cadeirinha macia onde, sem nenhum esforço, a não ser girar olhos ou cabeça, pode ver o mundo. Não é de se estranhar a resistência dos bebês “viciados” no bebê-conforto quando os colocados diretos no chão. Aí ouço os pais argumentando que eles “não gostam” de ficar por lá. Claro. Outro dia, uma avó disse: “coitadinho, no chão ele precisa fazer força demais para se erguer e olhar pra cima!” É, ao se opor à força da gravidade, erguendo a cabeça, apoiando os braços, elevando o tronco, girando o tronco, flexionando as pernas, buscando com as mãos objetos próximos, muitas vezes o bebê se frustra. E esse sentimento é algo insuportável para muitos pais.

Uma mãe me relatou a resistência de uma creche em colocar o seu filho de 3 meses no chão, pois nesta idade todos ficavam no bebê-conforto, muito tranqüilos. Mas acabaram aceitando o pedido e o colocaram deitado no solo, enquanto os outros permaneceram em suas cadeirinhas. Com o tempo, os outros bebês começaram a se distrair olhando passivamente os esforços do coleguinha que, dia-a-dia, conseguia uma pequena conquista. Desnecessário dizer, as cuidadoras da creche começaram a ficar constrangidas e foram todos para o chão. Aí foi uma festa que exigiu muito mais cuidados e atenção das babás, quase arrependidas, mas agora conscientes agora das vantagens. Os pequenos bebês se tornavam mais independentes, confiantes, lidando com frustrações, tentando novamente até a conquista.  Mas quem vive sentado na cadeirinha vai chorar até que um adulto apareça e resolva a situação – o que só aumenta seu sentimento de impotência e fraqueza.

Hoje sabemos do prejuízo que vem pelo uso do andador por conta de distúrbios motores, de fala e mesmo cognitivos causados pela limitação de movimentos. Mas é hora também de pensar nas consequências do uso exagerado do bebê-conforto, que limita os movimentos numa fase ainda mais precoce e de maior importância para o desenvolvimento psicomotor e cerebral. Mais tarde, isso se reflete em dificuldades de aprendizado. Para evitar isso, vamos deixar nossos bebês soltos para que tentem de novo e de novo, e se esforcem até conseguir, que superem ou lidem com suas frustrações. Um aprendizado que irão levar para a vida”

Dr. Antonio Carlos de Souza Aranha é médico antroposófico e terapeuta familiar

 Foto: Courtney Jade

6 pensamentos em “Bebê conforto: use com moderação

  1. Aqui em casa eu não sei se foi o meu bebê (hj com 10 meses) ou nós mesmos que não incentivamos nem sei pq… Mas o fato é que o Tito nunca curtiu bebê conforto, ficava (e fica) apenas no carro. Desde 1 mês e meio eu ponho ele no chão e ele sempre curtiu! Muito muito! Usei bastante um daqueles tapetinhos com penduricalhos e ficava ali se divertindo e conquistando vários desafios a cada dia. Até hj ele curte é o chão. Engatinha e anda nas coisas para todo lado. Eu não sabia dessa orientação, agora então fiquei mais feliz! 🙂

  2. Pois é, o pior é que até mesmo escolinhas abusam de buster… fugi de 2 (chorando) que mantinham os bbs sem necessidade em buster…

Deixe uma resposta para Patrícia L. Paione Grinfeld Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s