Home

Agora eu entendo o estranhamento que as pessoas sentiam quando eu falava que meu filho fazia tricô na escola. O medo que sentiam quando eu falava que eu não me preocupada com ele ter 7 anos e não ler. O susto que corria entre as veias da criatura que me ouvia dizer que meus filhos nunca fizeram uma prova. Porque agora eu sinto tudo isso. Quando vejo a quantidade de lição, quando a professora manda uma mensagem no domingo motivando os alunos a fazerem mais lição “estamos quase batendo o recorde de 80 mil palavras”. Pois é, mudei de lado e agora sou eu quem está achando esse pessoal muito freak.

A indignação que as pessoas sentiam quando eu falava que fazia faxina na escola (escola particular, com essa economia eles pagavam melhor os professores) eu senti quando meu filho chegou em casa falando que não tinha recreio na escola. Só na terça e quinta. E se quando eu fazia faxina algumas amigas falavam “não faz!” “não aceita isso” “isso é um absurdo” dessa vez, porque realmente está errado eu fui lá e falei: isso é um absurdo! Aliás, é contra a lei. Olha aqui a lei, criança não pode fazer faxina, quer dizer, não pode ficar sem recreio. Mudaram a regra. Agora ele só não tem recreio na segunda. E eu continuo com saudade da faxina.

Não escrevi sobre isso até hoje porque o período de adaptação está tão confuso e intenso que quando sento aqui para escrever, prefiro pensar em outra coisa. Mas vamos lá de uma vez! Fomos mesmo do 8 para o 80. Se na escola Waldorf não tinha lição, agora tem e é todo dia. (algumas vezes até no final de semana) Como a leitura do meu filho ainda é lenta, ele demora bastante. E tudo, tudo é novo para ele. Para mim também. Quatro sites diferentes para fazer lição de casa todos os dias. (cada site com uma senha diferente) Para minha filha que foi a uma escola Montessori, a mudança está sendo mais tranquila. A escola tem um quintal grande, muito tempo para brincar, eles respeitam muito o tempo e o espaço de cada criança então estão respeitando o momento dela. Mas para meu filho, foi realmente a queda do conto de fadas.

Pela primeira vez ele usa um caderno com linhas, caneta, computador, enfim, todos os materiais escolares padrão que nunca tivemos, agora temos. A primeira semana foi muito difícil. A segunda semana, os dois ficaram doentes como nunca tinham estado ainda na vida. E depois da terceira semana, tudo está mais tranquilo. O tempo, esse nosso grande ajudante.

Mas no meio de tudo isso – e ainda precisando administrar o fato de que agora os dois estudam em escolas diferentes – o plano de trazer a pedagogia Waldorf para casa está andando bem lentamente.

O que eu estou trazendo para casa, mais do que nunca, é a sensação de uma escola Waldorf. O que eu quero dizer com isso? Estou entendendo que a vida “lá fora” é realmente uma corrida. O ensino, tanto na escola Montessori quanto na pública é dado em ritmo de corrida. Eu até entendo que o ano letivo aqui passa muito rápido. São muitos feriados (muito mais do que no Brasil) e são três meses de férias no verão, mais duas semanas de férias no inverno, ou seja, tem que correr um pouquinho mesmo. Mas se na escola a corrida está instituída, em casa o ritmo precisa ser outro. Estou valorizando o progresso que eles estão fazendo na escola, mas não estou dando muita bola para isso no sentido de que, eu mostro que o importante é aprenderem e não a pressa em aprender.

“O aprendizado não é uma corrida, é uma jornada” Rudolf Steiner.

Na vida, a máxima pegar o limão e fazer dele limonada serve para todas as situações. Estou aproveitando que os exercícios de leitura são muito avançados (muito) e o João não tem a menor condição de fazer sozinho, então estou fazendo com ele. Sem pressa e realmente entendendo como um presente porque meu inglês também vai melhorar com isso.

Só não entendo o que aconteceu com o sistema de ensino para chegar na loucura que está agora. São 7 horas de escola por dia e ainda tem lição? Que horas essa criança vai ser criança?

“Mãe, essa escola só sabe de ensinar. Não tem nada de ser criança.”

Foi o que meu filho me falou um dia. E é por isso que minha parte 1 do currículo Waldorf em casa é fazer com que o tempo fora da escola seja um tempo de brincar livre.  Além disso, uma das coisas mais importantes na Pedagogia Waldorf são as histórias, que acontecem de acordo com a faixa etária.

No caso da minha filha, com 5 anos, são os contos de fadas. No caso do meu filho com 8 anos, o velho testamento. Peguei um livro emprestado de 365 Histórias da Bíblia para Crianças e estou lendo para ele uma história por dia. E também lendo para a minha filha, um conto por dia. Eles gostam muito.

Como o tempo voa, quero, com o que eu tenho hoje, estabelecer minha complementação Waldorf assim:

1 – Histórias: adequadas para cada faixa etária;

2 – Ritmo:  rotina, refeições à mesa, mínimo de 9 horas de sono por dia (criança precisa dormir muito), celebração das passagens do ano. (Fizemos a abóbora de Halloween e para as crianças essas passagens são muito importantes e trazem segurança.)

3  – Tarefas em casa: crianças na idade dos meus filhos em uma escola Waldorf precisam ajudar na limpeza então aqui em casa não está sendo diferente. Tarefas adequadas para cada idade. Maria Teresa com 5 anos, pega as cartas na caixa de correio e me ajuda a guardar as roupas no armário. João com 8 anos, passeia com o cachorro na rua, ajuda a arrumar a casa e todos os dois muitas vezes me ajudam na preparação do jantar.

4 – Arte: porque é importante que eles façam coisas com as mãos. Além de descansar o intelecto tão explorado na escola. Fazemos pintura (aquarela) ou desenhos com o giz de cera. Recomendo o uso do material usado nas escolas Waldorf por ter mais qualidade. Sei que muita gente pensa, “ah são crianças, qualquer um está bom” mas na verdade é exatamente o oposto. Enquanto são crianças é que podem e devem desenvolver a sensibilidade para a cores e por que não, aprender a escrever usando materiais confortáveis, macios e que deixam o resultado muito mais bonito?

Pesquisei um pouco sobre o assunto e existem algumas instituições Antroposóficas aqui nos Estados Unidos que ajudam quem quer fazer um homeschooling Waldorf. Como este link. Conheço uma mãe que está fazendo. Mas conversando também com minha terapeuta artística que tem mais de 20 anos de estudos em Antroposofia, ela falou que se fizermos as histórias em casa e colocar arte (pintura, argila e música), vamos estar cobrindo bastante o currículo.

Links úteis para quem tiver interesse em estudar um pouco o assunto: Aqui e aqui.

E pesquisando achei esse resumo do Currículo Waldorf feito pelo Espaço Bem Viver:

Por que a Pedagogia Waldorf é diferente de outras Pedagogias?

Como disse Rudolf Steiner: “nosso mais alto empenho deve ser o de desenvolver seres humanos capazes de, por eles próprios, dar sentido e direção às suas vidas”.

A principal meta de uma Escola Waldorf, é desenvolver o ser humano global: “cabeça, coração e mãos”. Para tal há um currículo que balanceia as matérias de forma equitativa.

Para fins de didática dividiremos o currículo em três partes:
• O currículo para a Educação infantil – 0 a 6 anos
• O do Ensino Fundamental – que na escola Waldorf é de 9 anos
• O do Ensino Médio

Na Educação Infantil este currículo contempla extensa preocupação com matérias de arte seja a música, a arte plástica, trabalhos manuais; além de matérias como: jardinagem, culinária e horticultura. Através dessas atividades as crianças se despertam para o aprendizado.

Além dessas atividades há uma enorme preocupação em trabalhar as atividades de movimento, a fala, a coordenação, lateralidade etc. Seja através dos ritmos diários, ou através do brincar.

A fantasia e a criatividade são estimuladas através de histórias, teatros e dramatizações, canções, do brincar livre e da participação espontânea nas atividades da vida diária que desenvolvemos com as crianças; todas elas baseadas na idade das crianças.

Como é o curriculum Waldorf para o Ensino Fundamental?

Muito pode ser pesquisado no site da Federação das Escolas Waldorf no Brasil, mas podemos dizer que além do currículo exigido para outras escolas como: português, matemática, ciências físicas e biológicas, história e geografia os alunos do Ensino Fundamental terão outras matérias como: astronomia, teatro, zoologia, botânica, mineralogia, artes aplicadas, euritmia, música, trabalhos manuais, artesanato, agrimensura, astronomia de posição, filosofia, artes plásticas e cênicas, assim como ( na maioria das escolas) duas línguas estrangeiras (alemão, inglês ou ainda espanhol).

Em termos metodológicos, o currículo Waldorf pode ser comparado a uma espiral ascendente: as matérias são revistas várias vezes e a cada nova exposição uma nova e mais profunda visão do conteúdo exposto vai sendo oferecida.

Numa genérica visão curricular temos:

Do 1º ao 3º ano

• Introdução ao alfabeto, leitura, escrita, poesia e teatro
• Lendas, Contos, Folclore e Histórias do Velho Testamento
• Números, processos básicos de matemática: adição, subtração, multiplicação e divisão
• Jardinagem, Trabalhos Manuais, Música
• Alemão, Inglês
• Pintura e Jardinagem

Do 4º ao 6º ano

• Escrita, leitura, gramática, poesia e teatro
• História das civilizações antigas, História Medieval, Mitologia Nórdica e Greco-romana
• História do Brasil
• Cálculos em matemática e frações, porcentagem e geometria
• Geografia, zoologia, botânica, astronomia, mineralogia e física
• Trabalhos de Artes: costura, tricô, pintura, confecção de papiro, tábuas sumérias, etc.

7º ano em diante

• Redação, Leitura, Interpretação de textos, Gramática, Poesia e Teatro
• Renascimento, Idade Moderna, 1ª e 2ª Guerras, História Contemporânea
• Álgebra e geometria, Geografia, Física, Química, Astronomia, Geologia e Fisiologia

Por enquanto é isso. Espero que essas dicas, que são simples de serem executadas, inspire e ajude vocês na busca por mais equilíbrio na educação dos filhos. Pais não são os empresários que precisam olhar para os filhos como funcionários e planejar o que eles precisam fazer para se destacar mais, para serem mais lucrativos/produtivos. A tarefa dos pais é criar seres humanos livres e responsáveis.

PS: Se você tem dicas sobre esse tema, por favor, divida aqui. E muito obrigada a todo mundo que desejou boa sorte nessa minha mudança de escolas. Fico muito alimentada com essa nossa parceria. ; )

Cris Leão

 

 

 

24 pensamentos em “Currículo Waldorf em casa

  1. Oi Cris, muito interessante e inspirador esse post. Você poderia indicar mais algumas leituras sobre homeschooling? Sabe de algum blog que trate mais especificamente do tema? Boa semana pra vocês. Abraço, Rafaela

    • Oi Rafaela, encontrei esse site: http://www.live-education.com/
      Tem muitos depoimentos de pessoas falando bem dele. Abraço!
      E aqui o depoimento de uma amiga que faz homeschooling em casa com o filho:
      Today, for school, Oscar’s taking a (nearly free) class on raptors at Belevedere castle in Central Park taught by park rangers with twenty other homeschooled kids. Today, he’s also taking an adult jiujitsu class, a kids’ karate class, and he will probably also help me work on my handwriting. He will do math and reading too, in a relaxing environment with my help if he needs it. Homeschooling is so much fun and honestly, most days, so relaxing. Compared to normal school-school? Never do I worry about the Core Curriculum, bullies, sub-excellent teachers, etc. And he plays with a big group of kids almost every single day. (That took a little finagling.) It’s WONDERFUL! And I just thought I should tell anyone struggling out there, yes, this is a great option if school-school isn’t loving on you or your kid.

  2. oi Cris, meu nome é Regina e gostei de ler seu post; aliás, o que me chamou a atenção para o blog, foi o título “Antes que eles cresçam”, pois logo de cara já sabia que se tratava de assuntos relacionados a filhos, educação, formação… Não sei toda a sua história, mas entendi que vcs mudaram de país e de escola; que seus filhos estudavam na Waldorf e agora não mais. Pois a minha história, ou melhor, a história que estou querendo “escrever” é o oposto da sua, ou seja, tirar meu filho de uma escola convencional e colocar em uma escola Waldorf, em São Paulo. Ele já tem quase 11 anos e está indo para o 6a. ano e estou tentando formar uma idéia do que ele viverá na Waldorf antes de realmente tomar a decisão. O que compartilho com você é que hj, a escola em que ele estuda, tem a pressa, o acúmulo de informações e a pressão que vc deixa transparecer. Ele vai bem, nem estuda muito e tira boas notas, mas me preocupo com o que ele está deixando de vivenciar, de contemplar para poder ter energia para dar conta de tudo. Outra preocupação que advém desta é quais são os valores que ele está apreendendo disso tudo, ja que a escola é bem focada para obtenção de desempenho para passar no vestibular (ou em concurso público, que é a tônica da cidade em moramos atualmente). Enfim, espero que a *pedagogia waldorf em casa *traga a harmonia e a energia para vc e seus filhos. Boa sorte !!

    • Oi Regina, o blog tem bastante informação sobre a Pedagogia Waldorf. Pode te ajudar. Acho que para seu filho mudar no 6º ano vai ser um choque e tanto. Para ele e para vocês, mas se for a mudança que estão precisando, vai dar tudo certo. Boa sorte para vc também!

  3. Pena q aqui no Brasil são poucas as escolas que seguem essa linha. O meu filho fará 2 anos e eu gostaria de incentivar as artes manuais em casa, portanto, se vc tiver dicas e links interessantes em português, ficarei muito contente ! Boa sorte nesta nova e desafiadora etapa !

    • Obrigada, Cristiane. Dá uma olhada no site da Estefi http://www.estefimachado.com.br/ ela é mãe Waldorf, ex aluna e faz muitas brincadeiras/brinquedos com o filho em casa. Tem coisas complexas para quem nunca fez nada manual, mas sempre serve de inspiração. : )

  4. Ei Cris, a-d-o-r-e-i o post. O mais difícil é encontrar um equilíbrio. Mesmo com nossos filhos…
    Bacana você equilibrar o ritmo da escola com técnicas mais tranquilas em casa. Eu sempre tento fazer isso com minha filha. Aqui na Itália ela estuda em uma escola pública, ritmo acelerado mas com foco no aprendizado, na retenção do conhecimento, sem as provas. Divida mais suas experiências conosco. Beijos grandes

  5. Cris,
    Adorei o texto e me identifiquei 100%. Estou SOFRENDO do mesmo mal, 5 anos de escola Waldorf e agora os 2 filhos em uma escola tradicional. Motivo: mudanca para Porto Rico (pertinho de voce). E todos os dias faco a mesma pergunta: 7 horas de escola e ainda Tarefa de casa?????? Quanta incompetencia kkkkkk, e rir para nao chorar!!! Adoraria trocar mais informacoes com voce mas nao quero encher seu espaco de comentarios.
    Obrigada por colocar em palavras as minhas angustias de todos os dias
    Bianca

    • Oi Bianca! Vai falando aos pouquinhos. Tenho certeza que nesse momento nossa sintonia vai ser incrível. : ) Aff, mas é uma loucura esse sistema de ensino tradicional, né? E cada dia que passa sai na mídia uma nova matéria científica falando sobre a importância de brincar. Olha esse vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=zDZFcDGpL4U
      Acho que temos que ir repassando essas informações para todo mundo e assim quem sabe a pressão fica grande para que as coisas mudem. Boa sorte para vc!

  6. Olá, Cris Leao

    Gostei do seu texto. Sou mãe de três meninas, minha mais velha entra no “grau” em 2015 e fez toda educação infantil em escola Waldorf. Sou pedagoga e também fiz formação básica em Pedagogia Waldorf, em julho pretendo começar a formação em pedagogia curativa (ou terapêutica).
    Entendo perfeitamente suas buscas e inquietações , será interessante acompanhar sua jornada por esse mundo Waldorf no lar.
    Eu estou desde já angustiada com a preparação do advento, a coroa e o presépio… Ainda preciso escolher a historia que vou contar para cada reino e como será esse Natal…
    Tanta coisa não? Obrigada pela vela que acendeu do outro lado da América.
    Roberta

    • Oi Roberta, fica angustiada não. Sabe o que eu aprendi aqui? Não vivemos mais no ano de 1.900. A vida está mais corrida. Então simplifique seu advento coroa e presépio. Como diz Madre Teresa “O importante não é o que se dá, mas o amor com que se dá.” Beijo e obrigada!

  7. Oi, gostei muito do teu relato. Não tive opção de inscrever meu filho (agora com nove anos) em uma escola Waldorf, por inúmeras razões. Vejo que ele se tornou uma criança ansiosa, muito pela pesada rotina na qual acabou inserido: trabalhamos oito horas por dia, não temos pessoa de confiança para deixá-lo em casa (nunca cogitei contratar uma babá, sofri muito com elas quando eu era criança, um trauma não superado), então nossa opção é a escola de turno integral. das 08 às 18, desde os quatro meses de idade (ufa!). O consolo é que no turno inverso há atividades esportivas e livres, mas ainda assim com horário programado. Em casa tento não puxar demais, mas estou iniciando um programa para desenvolver autonomia de estudo no filhote, especialmente quando se trata de interpretação de texto, que me parece o principal para bem desenvolver outras atividades. Identifiquei-me com as tuas atividades Waldorf “em casa”, vou ler mais sobre isso para aplicar na minha também. Obrigada pelos teus textos inspiradores.
    Rosane.

  8. Cris sei que você não é psicóloga e tal mas preciso desesperadamente de um conselho. Tenho uma filha de 14 anos que não gosta de estudar. Nunca gostou! Na primeira séria ela já havia dito isso para uma diretora e assim é até hoje. Já mudei de escola várias vezes ( construtivistas, tradicionais, etc). Já levei a psicólogas, psicopedagogas e a avaliação é sempre a mesma: imaturidade. Vejo você falar muito sobre criança ser criança, e a minha filha de 14 anos é uma criança, quase não dá sinais de adolescência, o que acaba sendo bom. Como vc lidaria com isso no meu lugar? Este ano ela vai repetir a série… e ano passado passou no conselho de classe…

    • Monica, realmente eu não sou psicóloga e educação é um tema super complexo. Mas acredito que nada é por acaso. E você me contando da sua filha parece que está falando de mim. Eu nunca gostei de estudar quando era criança. Parecia que a vida era boa demais para “perder tempo” estudando. Também repeti de ano aos 14 anos. E a partir dos 16 anos tudo ficou diferente para mim. Não só comecei a gostar de estudar como encontrei um prazer pela leitura que até hoje me acompanha. Lembro dos meus irmãos sempre brigando comigo porque eu não gostava de estudar. E lembro do dia que minha irmã (a mais caxias de todos) entrou em casa e eu estava chorando. Ela perguntou: O que foi? E eu respondi: Esse livro é bonito demais. (Guimarães Rosa) Enfim, se todo mundo já deu o diagnóstico de imaturidade talvez é isso mesmo que ela tem. E sinceramente, eu não acho isso grave. Ela está só vivendo intensamente a fase da vida dela (que ainda é infância). Acredito que pessoas intensas vão sempre viver com intensidade. Espero ter ajudado. ; )

      • Obrigada pela resposta. Leio sempre o blog e te acho inspiradora. Vou tentar ter um pouco mais de paciência e aguardar o tempo dela. Obrigada por me ajudar! beijoss e sou fã do blog, sempre me faz refletir sobre o que eu realmente quero para meus filhos. Em um mundo onde há tanta cobrança por resultados e o sucesso é medido pelo tanto de dinheiro que se ganha, é bom ler um blog que nos lembra o que é realmente importante na vida.

      • Dá uma olhada no trabalho dessa psicóloga https://drshefali.com/. Ela tem um livro best seller “The Conscious Parent” e fala que estamos o tempo todo querendo “consertar” nossos filhos e depois reclamamos quando percebemos que eles não têm auto estima. Muitas vezes o melhor é fazer, é deixar eles serem eles mesmos. Obrigada pelo carinho, Monica. Fico feliz que goste do blog. : )

  9. Oi Cris!
    Lendo seu texto fiqueie perguntando por que então foi tão necessária a troca de escola? Esse choque é muito grande mesmo! Não te aliviaria voltá-los para a Waldorf?? Bjs!

  10. Texto excelente. Meu filho estuda numa escola Interativa (um caminho entre escola cidadã, escola da Ponte, Humberto Maturana). Gosto muito, mas meu sonho sempre foi a Waldorf. Infelizmente não tenho chance alguma financeira de proporcioná-la… Mas enfim, vamos lá! Acredito que eu possa dar meu “toque” com suas dicas e pesquisas. Muito obrigada e parabéns pela iniciativa, força e luta! 😉

  11. Olá, gostei muito do post, tentei acessar o link que vc passou sobre o homeschooling e não consegui acessar, apareceu com acesso à professores…
    Se tiver alguma informação, agradeço
    Obrigada,
    Dalila

  12. Oi !
    Gostei muito deste post. Meu filho estuda aqui no Brasil em escola waldorf. Tem 5 anos. Gostaria que se puder me indique algum site ou livro em que possa encontrar tarefas diárias de ajudar em casa que ele possa fazer.parabéns!
    abs.
    daniela.

    • Oi Daniela, estou planejando publicar um post em breve sobre esse assunto. Fique de olho e já já você vai ver. Abraço!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s