Home

“No fim, só três coisas importam: o quanto você amou, a leveza em que viveu, e a graça com que você deixou para trás aquilo que não foi feito para você.” Buddha

Na viagem para o Brasil no fim de Novembro, meu marido recebeu uma proposta de trabalho e resolvemos aceitar. Vamos voltar para São Paulo em 10 dias. Essa vai ser a minha mudança número 18. Desde que saí da casa dos meus pais no interior, para estudar em Belo Horizonte aos 13 anos de idade. Mas não pense que para mim é fácil mudar. Não é. É confuso, cansativo, burocrático, dolorido, intenso, mas parece que minha vida é assim.

Até que ponto a gente controla a vida, né? Estamos sempre tentando controlar, sempre procurando os culpados, as causas e os efeitos, mas no fim – pelo menos vendo de onde eu estou vendo agora – parece que somos fantoches de uma coisa maior.

No meu caso, talvez exista uma linha condutora que é o amor. Dessa vez, o amor quer que eu fiquei mais perto dos meus pais, dos meus amigos de longa data, da minha família. Criar os meus filhos nesse ambiente. Dar para eles o legado de ser brasileiro. João tem 10 anos e 5 deles viveu fora do Brasil. Um dia ele me disse: mãe, as pessoas aqui são muito boazinhas, mas no Brasil todo mundo é muito mais engraçado. E pensei que se a gente ficar nos Estados Unidos para sempre, ele seria outra pessoa. Talvez uma pessoa diferente de quem ele é de verdade. Afinal também somos nossa circunstância, nosso ambiente, a cultura que nos alimentamos, nossa habilidade de se adaptar.

Os amigos que já sabem da mudança me perguntam: “E ai? Tá feliz?” Não é bem assim, né? Não sou igual aquele galo (de antigamente) que mudava de cor conforme a temperatura do dia. Lembra? Nesse momento, eu tenho todos os sentimentos do mundo. E um corpo cansado. Sábado chegamos de viagem e de lá para cá já arrumei todos os armários da casa, fiz malas, doei coisas, resolvi várias burocracias, não parei.

Quando paro acolho o sentimento de gratidão do nosso tempo aqui. Miami me fez ficar sozinha e isso teve o seu lado especial. Miami me deu um pouco de silêncio e junto com a solidão eu comecei a enxergar melhor. Eu vi todas as cores da natureza. Eu vi as raízes das árvores e sentei em cima delas nos momentos que eu precisei me sentir aterrizada. Eu vi todas as cores dos meus filhos porque convivi com eles de verdade todos os dias. Eu vi as minhas cores, as minhas sombras. Fui em frente na minha vontade de escrever e fiz esse blog. Eu enxerguei tanta beleza na vida que perdi até o medo das baratas. Eu sei, é estranho falar isso, mas nunca me senti tanto parte da natureza quanto sinto aqui. Apareceu cobra, rato, barata, sapo e meu sentimento (depois do susto) era: Tamo junto!

Agradeço ter chegado aqui depois de já ter feito muitas mudanças. Isso me fez apreciar o momento. Isso calou a voz da comparação. Calou (muitas vezes) a voz da reclamação. Porque acho que todas as células do meu corpo já estão acostumadas a mudar então tudo que acontecia, meu reflexo natural era sentir “vai passar”. Aproveitei muito nosso primeiro ano aqui morando em Coral Gables. Bairro mais lindo da cidade. Cheio de árvores com centenas de anos de idade. Vivi um ano como turista e junto das crianças, sem empregada e passando aperto, mas curtinho muito a cidade. Aproveitei muito ter parado de trabalhar para ficar com meus filhos. Aprendi a cozinhar, fiz arte terapia durante quase 2 anos, estudei Antroposofia, melhorei meu inglês, trabalhei numa agência de publicidade durante 1 mês, fiz freela de redação, fiz um curso incrível de tradução, trabalhei no Centro Cultural Brasil USA e por último fiz o curso mais incrível da minha vida: Visual Thinking Strategy na Universidade de Miami. É gratuito. Recomendo fortemente. (Mas acontece só a cada 2 anos.) Este curso me ensinou muito sobre arte, sobre ouvir e sobre enxergar. Quero de alguma forma levar isso para o Brasil.

Como veem, já não estou mais aqui. Mas também ainda não estou lá.

Estou de mudança e enxergando mais do que nunca que tudo passa. Tudo é temporário. E o que fica é o que fazemos. As amizades, os aprendizados, as trocas, a entrega. Fica também o que a gente teve calma e coração aberto para enxergar de verdade. Aquele feixe de luz que entra na janela. Aquele cheiro. Aquele momento que você só viveu o presente.

Essas são as coisas que ficam.

“Para além da curva da estrada
Talvez haja um poço, e talvez um castelo,
E talvez apenas a continuação da estrada.
Não sei nem pergunto.
Enquanto vou na estrada antes da curva
Só olho para a estrada antes da curva,
Porque não posso ver senão a estrada antes da curva.
De nada me serviria estar olhando para outro lado
E para aquilo que não vejo.
Importemo-nos apenas com o lugar onde estamos.
Há beleza bastante em estar aqui e não noutra parte qualquer.” Alberto Caeiro

Feliz 2016 para todo mundo!

Que a vida traga sempre muito aprendizado. E que a gente sempre saia melhor do que entrou. É isso que desejo.

PS: Quem estiver precisando arrumar o armário, recomendo fortemente que façam isso com TPM. Gente, nunca eliminei tanta coisa. Foi com força bruta, praticamente. E me sinto bem mais leve. Sem contar que desde então, me visto melhor. (Porque me livrei de muita roupa feia hahaha) Para mais inspiração, leiam o texto da Fabi aqui.

PS2: Sim, é verdade aquilo de que os filhos crescem rápido. Os meus chegaram aqui com 4 e 7, passaram 4 escolas, algumas festinhas, alguns passeios, mar, algumas histórias na hora de dormir e hoje MT tem quase 7 e J tem 10 anos. São outras crianças. Acabou a primeira infância. Então aproveita a bochecha gorda que você tem em casa e aperta, aproveita os buraquinhos na mão, a vozinha desafinada, as perguntas sem cabimento. Vai passar, então aproveita!

Minha loirinha está me chamando para sentar lá fora e eu falei: “Mas está chovendo e frio”. E ela: “Então, está perfeito pra gente ficar grudadinha embaixo do guarda-chuva, relaxando e vendo a chuva cair.” Convite irresistível. ; )

Fui.

Um beijo,

Cris Leão

 

26 pensamentos em “Ano novo. Vida nova.

  1. Cris, lendo. Sentada no chão Do aeroporto de Orlando, indo embora de ad férias lindas e deliciosas com meus pequenos de 3 e 8 e. Chorando….. RS….q lindo! Good luck;)

    • Também vou sentir muitas saudades de você, amiga. Os momentos deliciosos que vivemos juntos vão ficar guardadinhos. Muito obrigada por toda ajuda, todo carinho. Sem você nessa estada aqui teria sido pior. Obrigada mesmo! Acho que essa é a melhor parte de mudar, conhecer pessoas e levar um pouquinho delas com a gente. Beijo

  2. Lindo e verdadeiro, entendo seu sentimento ! É parecido com o que começo a sentir depois de 19 mudanças em 17 anos de casada. E vislumbrando a 20!
    Mas essa sensação misturada e boa, e a melhor parte que fica desses processos… O coração bate num ritmo de tranquilidade, mesmo sabendo das caixas a serem montadas e desmontadas, a chegada , quem você deixa para trás … Começa a ser um processo que você lida com tranquilidade e que muitos passam a não compreender!
    Querida feliz por vocês! Voltando pra casa, pra família e para as raízes! Presente de Deus!!!!
    Lindo texto amei! Um lindo 2016!!! Tenho certeza que será maravilhoso! 😘

    • Obrigada, Alessandra. Você entende o que é viver cercada de papel bolhas, né? A vida é cheia de perdas e ganhos sempre, né? A gente participa colocando nossa energia para fazer com que as coisas deem certo. Um lindo 2016 para você também!

  3. Pqp! Como vc escreve bem Cris!! Hahaha desculpa as palavras/siglas feias.
    Falei com vc hoje por email e confesso que, mesmo sem te conhecer, fiquei surpresa de saber que vc está voltando pro Brasil.
    Vá com Deus e boa sorte!
    E se vc estiver vendendo algo da sua mobília, antes de anunciar no Craiglist (hehe) me avisa!

    Beijos
    Natalia

  4. Lindo texto! Você é inspiradora. Sabe que às vezes eu me preocupo muito por termos deixado o Brasil há 7 anos e meus filhos viverem e crescerem longe do Brasil e da família e os laços irem se afrouxando ? E pelo fato de termos nos mudado e eles não terem aqueles amigos desde o pré? Me preocupo demais, como você disse, vai passar.

    Feliz 2016, junto às raízes e continue escrevendo e nos inspirando Cris, gosto e admiro muito você, mesmo sem te conhecer pessoalmente. Is it that possible?

    Beijos e muitas aventuras na nossa terrinha!!

    • Oi Lourdes, sobre os laços, tende manter a distância. Com tanta tecnologia, isso é possível. Também dá para ir lá de férias. E sobre os amigos de infância, eu falei exatamente a mesma frase para uma das minhas melhores amigas: Fico com pena das crianças porque a gente muda tanto que eles nunca vão ter aqueles amigos de infância. E ela falou: “Cris, você é minha amiga de infância. E eu te conheci aos 26 anos. Amigo de infância é uma categoria, não tem a ver com idade.”
      Me ajudou muito. Espero que te ajude também. A gente não escolhe tudo o que acontece na nossa vida, mas a gente escolhe o que vai fazer com isso.
      Um beijo! E boa sorte!

  5. Obaaaa!!!!
    Vem morar na vila Mariana, Cris!!!
    Aí a gente pode ser amigas no mundo real tb!!!!
    Seja muito bem vinda de volta!!!
    Desejo toda felicidade do mundo pra vcs!!!
    Feliz 2016!!!
    Abraço forte,
    Gabi.

    Enviado do meu iPhone

    >

  6. Cris, sinta-se em casa, feliz e como vc diz: dando passagem para tudo,Que bom que renovou o guarda roupa, ufa!. Tá vendo mudança também traz isso! (kkkk). Sejam bem vindos!

  7. Cris,
    Não posso deixar de dizer que chorei, chorei de felicidade, de tristeza, de tudo! Como isso pode acontecer com alguém que a gente não conhece?rsrs
    Mas sobretudo quero dizer que fiquei emocionada em ver o quanto podemos aprender quando nos abrimos a isso e tenho aprendido cada vez mais com seus posts.
    Moro em São Paulo também, em Alphaville e espero de coração um dia poder te encontrar, te dar um abraço e agradecer por tudo de bom que você nos ensina!
    Que Deus abençoe esta nova etapa e o novo ano seu e de sua família!!
    Conte comigo para o que precisar!!!
    Um beijo carinhoso!
    Rafaella

    • Obrigada pelo carinho, Rafaella. Seus comentários me inspiram e me dão vontade de continuar escrevendo. E é isso mesmo: aprendemos quando abrimos caminho, quando não ficamos no papel de vítima, mas assumimos responsabilidade. Um beijo! E espero mesmo um dia te ver pessoalmente.

  8. Para não cair na simples bajulação vou dizer que você é uma pessoa bem peculiar. Ainda mais num momento em que nuvens escuras pairam no horizonte brasileiro. Admiro o desapego, a disposição em se arriscar e começar tudo em outro lugar. Afinal, você certamente não é a mesma pessoa que deixou o Brasil. Te desejo tudo de bom, com a impressão de que, seja lá o que vier, você vai dar um jeito.

  9. Lindo o seu post… Moro aqui nos EUA e tambem penso em quantas mudanças eu e meu marido ja fizemos por opção e quantas minha filha fez e fará sem opção…. e tudo o que uma
    Mudanca oferece… As dores e as delicias… Desejo boa sorte e peço: nao deixe de escrever, nunca….

  10. Com vc tenho tentado aprender tantas coisas… Expandir meus horizontes!! Vivo em uma condição semelhante de não ter ninguém próximo e sei quão difícil é isso…
    Vc não é mais a mesma pessoa que deixou o Brasil e nem ele é o mesmo tbm, mas eu desejo de coração que tu tenhas um feliz e lindo retorno!
    Que sobrem momentos de felicidade! Sejam muito bem vindos!! E como já disseram não deixe de escrever… suas palavras são como um enorme acalanto em meu coração! Muito obrigada por compartilhar sua vida conosco.
    Bj

  11. Boa sorte pra você e sua família na nova temporada no Brasil. Os brazucas expatriados vão se sentir meio órfãos, mas não deixe de escrever, você faz isso muito bem.

  12. Oi Cris,
    Obrigada por compartilhar conosco sua trajetória… Ela inspira, alivia e traz ensinamentos para aqueles que a acompanha! Estou no caminho inverso, saindo do Brasil para a 11a mudanca em 7 anos! Essa coisa de mudar tem o saco cheio da burocracia, mas por outro lado, o frio na barriga e um mundo inteiro de oportunidades de recomeçar! Que a vida lhe seja sempre gentil, retribuindo todo o bem que você inspira! Beijo grande!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s